Home

Mohamed Ali

Genealogy

Structure

News

Awards

Then & Now

Contacts

Links

 

 

Athens October 29 2015

 

Institute Mohammed Ali cultural event given at the Association of the Greeks from Egypt.

 

 

 

 


 

Kavala-macedonia-Greece-October 2014

 

Our Greek representative Mr.George Nikolaidis awards the certificate of Appreciation of the Mohamed Ali Institute to Mr.Panagiotis Dakutros for his research on Mohamed Ali Pasha.

Mr.Panagiotis Dakutros is a student in the political science department of the University of Makedonia in Thessaloniki, research done under the supervision and guidance of Dr.George Christidis.

 

pdf1

Mohamed Ali- The Father of Modern Egypt - by Mr. Panagiotis Dakutros

 

 

 

 

 


24/25 - January - 2014 - Kavala-Makedonia-Greece

 

On the 23 & 24 of January, the Founder and Honor President of the Royal Institute Mohamed Ali, the Prince Osman Rifat Ibrahim made a visit to The Center for the Protection of Children and the Therapeutic Center for Chronic Illnesses,along with the Institute's delegations of Greece and Russia,in order to provide continuous support to these two institutions and to honour with the Institute's Royal Medal,the donors,volunteers and workers of these centers,for the services and dedication to these special children.

 

pdf1

article 27-1-2014

pdf1

article 28-1-2014

 

1    2

 

 


4 - October - 2013 - Manama-Bahrein

 

 

 

 

 

The Greek representative of our Institute, Mr.Nikolaidis was received by the head of the national museum of the Kingdom of Bahrein, Mr Rashad Faraj, in order to find ways of mutual cooperation.

 

 

 

 

 


30 - August - 2013 - Turkey

 

 

It was on the 30th of August, that H.R.H. the Prince Muhammad Ali - Prince of the Sa'id, son of His Majesty the King Fouad, cousin of HRH the Prince Osman Rifat Ibrahim (Honorary President of this institution), married with Princess Noal Zaher, the granddaughter of King Zahir Shah of Afghanistan.

 

 

H.R.H. Prince Osman Rifat Ibrahim was  invited to the wedding which took place in Turkey and the gala dinner held at Ciragan Palace, a former palace of the Sultans of Turkey, and is situated on the European shores of the Bosphorus, not far from the Dolmabahçe Palace.

 

 

 

 


27 – July – 2013 – Portugal/Estoril

 

On 27th July at Estoril, held the signing of the cooperation protocol between the Royal Institute Mohamed Ali and the Academy of Arts and Letters.

 

The ceremony was presided by HRH the Prince Osman Rifat Ibrahim, Honorary President of the Royal Institute Mohamed Ali, and was attended by the highest and significant personalities of the Academy of Arts and Letters.

 

The session opened with the words of Professor António de Sousa Lara, who emphasized the importance of strengthening relations between the two institutions, as well as the desire to ensure sustainability in the bonds of cultural relationship.

 

The ceremony ended with the signing of the protocol between the two institutions.

 

 


26 - July - 2013 - Spain

El príncipe propone el modelo español para restaurar la monarquía

 

"Gobernar Egipto no es tarea fácil", reconoció el rey Faruk poco antes de empacar algunas pertenencias y emprender el camino del exilio. Corría el año 1952. El ruido de sables desembocó el 23 de julio de aquel año en un golpe que derrocó la monarquía y entregó Egipto a los generales. "Desde entonces los militares han mantenido su dictadura", advierte el príncipe Osman Rifat Ibrahim, uno de los miembros más destacados de la familia real egipcia, en una entrevista a ELMUNDO.es.

 

"Desgraciadamente hace dos años y medio, cuando la revolución estalló, había grandes esperanzas entre la población. Las cosas cambiaron pero no fue un cambio total porque, en realidad, fue el ejército el que desalojó a Mubarak; el que organizó las elecciones y acabó con Mursi", cuenta Osman desde Madrid, donde trabaja desde hace más de una década como consultor financiero.

 

Desde la meseta, el príncipe de 63 años -que abandonó Egipto con tan solo dos años- observa con pesadumbre el destino de un país descosido por la polarización social y los enfrentamientos violentos. "Es el ejército el que hace la política egipcia y después de las dos revoluciones recientes, o como quieran llamarlas, los militares siguen siendo el árbitro. No veo que de esto pueda surgir una democracia", esboza.

 

La estirpe de Mohamed Ali, el padre del Egipto moderno, no perdona al Movimiento de los Oficiales Libres que les desbancó del poder; les despojó de nacionalidad; les desterró e incautó sus propiedades. "Cuando en unos meses haya nuevas elecciones, el Gobierno no será realmente libre porque esto es una dictadura militar en la que, según el momento histórico, se coloca a unos actores delante pero los generales continúan detrás", denuncia Osman.

  

Y los nuevos protagonistas de la impostura son los liberales y opositores no islamistas que respaldaron el golpe de Estado y a la figura ascendente de Abdelfatah al Sisi, el comandante en jefe de las fuerzas armadas. "Se equivocan cuando creen que el ejército se retirará del poder, porque son ellos los que tienen el mando", opina el príncipe. "La única solución es que los demócratas luchen pero siendo conscientes de que el ejército mantiene al país en una especie de semi dictadura".

 

El modelo de Juan Carlos I

Para contrarrestar el ardor guerrero, Osman asegura que la tierra de los faraones necesita una figura de consenso capaz de enmendar la plana a los héroes de uniforme. El príncipe propone el "modelo español", la restauración monárquica de Juan Carlos I que rescató al país de la pesadilla de la dictadura franquista y alejó el fantasma de la guerra civil. "Es evidente que lo que sucedió en España es diferente, pero podría aplicarse en Egipto si se dan ciertas circunstancias. El rey es una figura neutral, al margen de los partidos políticos, y da consejos que los líderes políticos no querrían recibir".

 

Podría ser la segunda oportunidad para Fuad II, el hijo de Faruk que subió al trono con seis meses de vida en 1952 para a los pocos meses enfilar la misma ruta de su padre y sus cortesanos. A sus 61 años, Fuad vive en Suiza al amparo de la familia real saudí. Habla mejor francés que árabe; trabaja para vivir y se divorció hace unos años. Tiene tres hijos. "Él podría ser el elegido para restaurar la monarquía o alguno de los miembros de la familia real que han vivido durante estas décadas en Egipto", indica Osman.

 

Sostiene el príncipe que, si su antepasado Mohamed Ali estuviera vivo, trataría de arañar poder al ejército hasta ganarle el pulso. "Intentaría reducir el poder del ejército como hizo con los mamelucos y buscaría el apoyo popular y el de liberales y demócratas", explica quien aún guarda memoria de aquel Egipto exótico y distinguido gracias a los relatos que le contaron su padre y su círculo de aristócratas desde el destierro y a las imágenes de decadencia que observó en sus viajes a El Cairo.

  

A Osman, que ha renunciado a luchar por el patrimonio familiar que fue confiscado por la junta militar, le preocupan las seis décadas de propaganda contra un rey que fue a menudo acusado de servir a las potencias coloniales. "Lograron que se olvidaran algunos de los logros de la monarquía, pero me consta que hay muchos jóvenes que sienten nostalgia y han modificado su opinión sobre la familia real. He visto cientos de blogs que apoyan la monarquía".

 

 


8- July - 2013 - Aljazeera

Egypt: THE RETURN OF THE KING

 

In Egyptian author Alaa Al Aswany's bestselling 2002 novel The Yacoubian Building, an aging aristocrat declares: "It was a different age. Cairo was like Europe. It was clean and smart and the people were well mannered and respectable and everyone knew his place exactly…"

 

Fewer and fewer people remember Egypt as it once was, a glittering romantic metropolis and a genuine regional hub for culture and the arts - it is an Egypt that now only lives in the collective memory of some exiles, the result of dictatorships both republican and Islamic.

 

Prince Osman Rifaat Ibrahim was barely two years old when his family was forced to leave his native Egypt, after the 1952 Free Officers' revolution. As members of the dynasty of Mohamed Ali, founder of modern Egypt, they had become persona non grata. His father, Prince Amr Ibrahim, was blacklisted as a potential threat to the new order. He had been a high commander of the Special Police during World War II, and enjoyed a great deal of support among certain circles. As a grandson of Mohamed Ali's eldest son, he was viewed as a contender for the throne.

 

Overnight, their family lost everything, as the state confiscated extensive properties and all of their personal belongings, including priceless antiques and artworks, by order of the Revolutionary Command Council. There were three palatial homes in Cairo, three buildings in coastal Alexandria, and vast swaths of agricultural land on which they grew cotton, then a highly profitable crop. With nothing left in Egypt, they went into exile, first to Italy and later to Switzerland, where Prince Osman grew up among other Egyptian aristocrats.

 

Today, like the rest of the world, the 63-year-old prince watches from afar as chaos unfolds in Egypt, wondering whether there will ever be a happy ending to the story that began six decades ago.

 

"When this latest revolution started a little over two years ago, I was hopeful that it might be the end of nearly 60 years of military dictatorship," he told Al Jazeera. "Unfortunately it was not, and where we are headed is gloomy."

 

On the coup d'état that ousted President Mohamed Morsi on July 3, he reflects: "Egypt is happy, but I wonder what for? No more Morsi, even though he was elected by a majority. And now the army that brought him to power will find another Morsi or Torsi. Nobody seems to understand that the army removed Hosni Mubarak, and now they've removed Morsi. Tomorrow they will remove someone else."

 

Comparing the army cadre to the Mamluks, a ruling class of soldiers who governed Egypt from 1210-1517, and continued to hold sway as landowners until 1811, he added: "Egypt is ruined and whatever regime comes in, nepotism and corruption will prevail. The people have been cheated and, as usual, they will be cheated again."

 

Egypt is ruined and whatever regime comes in, nepotism and corruption will prevail. The people have been cheated and, as usual, they will be cheated again” (Prince Osman Ibrahim)

 

Paradise lost

 

Since 2001, Prince Osman has resided in Madrid, working as a consultant for financial firms dealing with Turkey, Russia and Central Asia. Over the years, he has attempted to take legal steps to reclaim the property that had once belonged to his family, but he has faced hurdles every step of the way.

 

"[Saudi Arabia's] King Khaled and King Fahd had intervened on our behalf on numerous occasions, asking the Egyptians that some of the property ought to be returned to the families. They promised but never did anything about it," he recounted. "Whatever government comes next, thieves do not give back what they steal.

 

"My mother's house was turned into a police station, and later some Arab League office," he said, mournfully. His mother was Ottoman Princess Nedjla Hibetullah, granddaughter of both the last Caliph Abdül Medjid II (1922-1924) and the last Sultan Mehmet VI (1918-1922)

 

Today, the magnificent neo-Islamic palace that once belonged to Prince Osman's father in Cairo's district of Gezirah has become a museum for ceramic tiles. Known as the Prince Amr Ibrahim Palace, it was built in 1921 by the last of the Balians, the illustrious family of Armenian architects in the Ottoman court. By some estimates, the property may be worth more than 200 million euros ($257m).

 

The Spanish model

 

In 1985, a few years after President Sadat reinstated their passports, Prince Osman travelled to Egypt for the first time since his forcible exile.

 

"The atmosphere had been described to me so well that it felt like I had never left," he recalled. "But certainly the country had changed. The city was falling apart. And you could see the onset of what has happened in most Middle Eastern cities today… The unruly constructions, which destroy everything of what used to be a very nice city."

 

Asked what he thought would be the solution to Egypt's malaise, Prince Osman cited the example of Spain, which successfully reinstated its monarchy following a devastating civil war and an era of fascist dictatorial rule. It now enjoys a viable democratic system.

 

"The dictator Generalissimo Francisco Franco chose the actual king Juan Carlos de Borbon as his successor, to reestablish democracy in the country and it worked. If this were done in Egypt - it might make people smile, but I believe that, especially the youth, with whom I have talked a lot, would receive it well," he said.

 

While he conceded that the final days of King Farouk's reign may have damaged the reputation of the Egyptian monarchy, he claimed that many of the shocking reports that contributed to destroying the deposed monarch were vastly exaggerated by British and US agents.

 

"The Spanish model is certainly an option, because it worked. A neutral person above all parties concerned is a real factor of stability. Restoring the monarchy would certainly do that. A king is above parties, he unites the nation. The reputation of the royal family is not tarnished in Egypt, suffice it to see the hundreds of blogs on the net. Quite the contrary, the lies said against it for all these years are now fully perceived," said Prince Osman, himself co-author of Mehemet Ali Le Grand ["The Great Mohamed Ali"], published in France and Egypt in 2005.

 

“A neutral person above all parties concerned is a real factor of stability. Restoring the monarchy would certainly do that. A king is above parties, he unites the nation” (Prince Osman Ibrahim)

 

An implausible dream?

 

John Bell, a former Canadian diplomat in Egypt, dismisses this option as "not plausible".

 

"Monarchy… has no real and deep roots in Egypt - the pharaoh complex is another matter altogether, and in this context of desire for freedoms and end to any authoritarianism, Mubarak or Muslim Brothers, these ideas are fanciful," he told Al Jazeera.

 

Ironically, in the view of many Egyptians today, that role of impartial overseer proposed by Prince Osman is already taken. They suggest that the army fulfills the function of impartial overseer of Egyptian politics - notwithstanding the controversy over the July 3 coup.

 

"I don't think the monarchy is associated with neutrality in Egyptian political culture today," said Pascale Ghazaleh, an Egyptian historian. "The army was able to take that role after 1952, presenting itself as the corporate institution most capable of representing society as a whole, against the particular interests and corruption of the monarchy and the Wafd, and that legacy still seems strong today."

 

In 2005, Ghazaleh's mother, Fayza Hassan, penned her memoirs, A Flight of Kites: Growing Out of the Nasser Years, chronicling life for Egypt's elites after the 1952 revolution.

 

"My family were certainly no supporters of [Gamal Abdel] Nasser, although my parents stayed on until 1967, though the nationaliations cost my father his job," recalled Ghazaleh, an associate professor of history at the American University in Cairo. "I recall my mother saying that they would meet their friends at the Gezirah Club and run their hands under the table to make sure that there were no microphones planted there. She also told me that intelligence personnel would come on the line while she was speaking on the telephone and shout 'stop speaking French!'

 

"Was this class paranoia, or my mother's love of a good dramatic story? There was probably some truth to it, even if reality was not quite as vivid as she depicted it. But the 1967 war was what made up my father's mind: the extent of the government's lies, and the magnitude of the defeat, proved unbearable."

 

'More pain and hardship'

 

Whether or not the proposal to reinstate the monarchy catches on, for the time being, Prince Osman is channelling his efforts into education projects. He serves as president of the Lisbon-based Royal Institute of Mohamed Ali, which facilitates scholarships at universities in Europe in specialisations relevant to Egypt and other countries affiliated with the institution.

 

The Royal Institute also sponsors exhibitions and publications on the legacy of Mohammed Ali (1805-1848), and that of this dynasty, with special emphasis on literature, art, and religious tolerance.

 

And what does he expect will come of all these revolutions and counter-revolutions rocking his native country?

 

"I see more pain and hardship, I am not optimistic at all. Nevertheless, one has to put his trust in the youth of Egypt. They are the ones who can influence its future," he said.

 

"I believe that when one starts an uprising or a revolution, one must go to the end. The people trusted the army, and they were wrong."

 

  


20 – May - 2013

Museum visits to KSA, UAE & Oman

  

Museums in particular, function as cultural Time Capsules of History, Technology and Art. In this context, part of the activities of the Royal Institute Mohamed Ali, is to establish cultural relations with Museums around the world, initially by establishing a link with these Museums in our website and our youtube channel, followed by a more formal Protocol & Memorandum of Understanding (MOU) with these Museums & Institutes.

  

Part of these activities include the assignment of HRH the Prince Osman Rifat Ibrahim to the Delegation of Greece, under Mr. George D. Nikolaidis, to visit four Museums, namely, The King Abdullah University of Science & Technology at the Museum of Science & Technology of Islam in The Kingdom of Saudi Arabic, The Sharjah Museum of Islamic Civilization, in the United Arab Emirates and The Frankincense Museum in Salalah & The Bait Al Baranda Museum in Muscat, both in the Sultanate of Oman.

  

In all of the above Museums, the Greek Delegation was cordially received along with a guided tour and meetings held with the Management of the above Museums.   

 

      

 

 


6  - March - 2013 - Athens

Meeting with Dr. Armanda-Alice Maravelia (Presidente of Hellenic Institute of Egyptology) and Mr. Georghios Nikolaidis

 

 

Hellenic Institute of Egyptology are modern Research Organization of high standards, functioning as a Civil Non–Prot Company, supported by a plethora of eminent personalities in the domains of Egyptology, Archæology, Science and Letters, with Collaborators and Founding Members from Hellas, Egypt, Germany, France, Russia and the USA. The scope of our Institute is the fund–raising in order to: Perform Research Projects in the disciplines of Egyptology, Archæology, Archæoastronomy, Archæoanthropology, as well as the interdisciplinary and comparative study of the ancient high civilizations in the Mediterranean Basin. The popularization and dissemination of Egyptology to the general public and to Schools, Gymnasiums/Lyceums, & c.

 

 

 


8 – March - 2012 - Portugal

S.A.R. o Príncipe Osman Rifat Hibrahim assina o livro de honra da cidade do Porto

 

No passado dia 8 de Março de 2012, S.A.R. o Príncipe Osman Rifat Ibrahim foi recebido numa sessão solene promovida pela Câmara Municipal do Porto, que contou com a presença do seu Presidente e várias individualidades do município.

 

S.A.R. o Príncipe Osman Rifat Ibrahim entregou a medalha do Real Instituto Mohamed Ali ao Presidente da Câmara Municipal do Porto, Dr. Rui Rio e assinou o Livro de Honra da Cidade.

 

 

 

 

 

 

   

  


31 - May - 2011 - Spain

 

Conferencia del Príncipe Osman Rifat Ibrahim

 

El pasado día 25 de mayo, tuvo lugar en Aula Marqués de Ciadoncha del Colegio Heráldico y organizada por la Sociedad Heráldica Española, la conferencia impartida por el Príncipe Osman Rifat Ibrahim sobre la Casa Real Egipcia.

 

El acto, que contó con la asistencia, entre otras significativas personalidades, del Conde de Cabra o del erudito don José Antonio Dávila, fue iniciado por don José María de Montells en nombre de la entidad organizadora, que en una breve exposición, comentó el desconocimiento que se tiene en nuestro país del Egipto moderno y la importancia de ese dato para una correcta interpretación de los acontecimientos que se están desarrollando en ese país, dando paso luego a la presentación del Marqués de Casa Real, como siempre, muy brillante y documentada.

 

El Príncipe disertó por espacio de una hora sobre los avatares y circunstancias de la Dinastía nacional egipcia fundada por Mohammed Alí, hasta nuestros días, destacando la participación española en la creación de un ejército moderno, singularmente, la Academia del Arma de Artillería de El Cairo, fundada por el general Sequera Carvajal, descendiente de Cristóbal Colón.

 

También desveló la enemistad británica por Rey Faruk y la propaganda en su contra que fue, al final y a la postre, lo que determino el golpe de los coroneles que precipitó la caída de la monarquía, un régimen que había propiciado la convivencia entre musulmanes y coptos y el desarrollo y modernización de aquella nación africana.

El orador fue largamente aplaudido por un público que llenaba la sala, atento e interesado.

 

Desde "Salón del Trono" transmitimos nuestra enhorabuena más sincera al Colegio Heráldico de España y las Indias y a la Sociedad Heráldica Española, por haber promovido una conferencia de tan alto nivel y continuar afianzando el conocimiento de la Casa Real de Egipto en nuestra Patria.

Quiera el Dios único y verdadero reunir a musulmanes y coptos bajo el sabio gobierno del legítimo Rey de Egipto y que la gloriosa Nación del Nilo recobre la paz, la libertad y el desarrollo para bien de sus gentes.

 

Texto retirado do Blog “Salón del Trono”

 

 

 


14 - March - 2011 - Moscow

 

 

 


8 – March - 2011 - Portugal

 

Conferência pela S.A.R. Príncipe Osman Rifat Ibrahim - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Auditório Armando Guebuza

O EGIPTO: cultura, património e atualidade

 

O Departamento de História e o Grupo História, Memória e Sociedade (Secção de História do Património e da Ciência) do CPES – Centro de Pesquisa e Estudos Sociais, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, organizaram uma Sessão Académica com a presença de S.A.R. o Príncipe Osman Rifat Ibrahim, do Egipto, Presidente do Real Instituto Mohamed Ali. Falou sobre O Egipto e o Império Otomano – cultura, património e actualidade.

 

O Príncipe foi acolhido pelo Prof. Doutor Teotónio R. de Souza, Diretor do Departamento de História, e apresentado aos participantes pela Prof. Doutora Ana Cristina Martins, regente das disciplinas de Arte e Património no 1º ciclo de História. Também presente na mesa estava a Prof. Doutora Angela Montalvão Machado, Diretora da Faculdade de Ciência Política, Lusofonia e Relações Internacionais. Saudou o conferencista e manifestou a sua satisfação e interesse que a conferência tinha para a área da ciência política e relações internacionais.

 

Seguiu um debate, em que foram esclarecidas as dúvidas expressas pelos participantes acerca do papel dos militares e da irmandade no atual cenário da «primavera árabe». Ficou-se a saber que a irmandade é popular pelo seu papel de ajuda humanitária ao povo egípcio, mas tem sido pouco consistente a sua política nacional. Os militares constituem uma nova elite económica e industrial, particularmente indústria de armamentos.

 

 


7 – February – 2011 - Portugal

 

Entrevista – Diário de Noticias

 

Primo do rei Fuad II e seu lugar-tenente, esteve recentemente em Lisboa para inaugurar a Fundação Mohamed Ali que tem como objectivo promover a tolerância religiosa. Em encontro com o DN analisou a situação em curso no seu país, o Egipto, e manifestou a esperança de que o movimento democrático tenha sucesso.

 

O rei Fuad II (do Egipto, no exílio na Suiça) emitiu um comunicado. Qual o teor do documento?

 

O rei lamenta o que está a acontecer e insta as pessoas a tentarem alcançar os seus objectivos. Pediu, porém, que tentem manter-se calmas, pacíficas e tentem não utilizar a violência o que é importante. Lamentou também as vítimas mortais [da repressão] e enviou condolências às suas famílias; lamentou também a existência de feridos e manifestou o desejo da sua recuperação rápida. O rei está profundamente preocupado com o que se está a passar e desejou que tudo termine de forma pacífica e com sucesso.

 

Conhece bem o Egipto...

 

Sim; nasci na Suíça mas fui levado para o Egipto onde vivi até ao golpe de Estado. E tenho lá família, a minha irmã, porque o presidente Anwar Sadat autorizou-nos a regressar. Vou lá com frequência.

 

Pode fazer uma análise do que se está a passar neste momento no Egipto?

 

Mais cedo ou mais tarde isto iria acontecer. Mas penso que foi o exemplo da Tunísia que levou a que os protestos aconteçam neste momento. É um movimento popular, com muitos jovens, onde estão presentes nacionalistas, os Irmãos Muçulmanos, estudantes, pessoas apolíticas. É uma reacção aos 30 anos de ditadura, à ausência da esperança. E espero que o movimento alcance os seus objectivos porque o país precisa disso.

 

Este movimento teve alguma preparação?

 

Não creio. Mas tenho seguido a situação no Egipto, e há muito tempo que se pressentia que algo assim iria acontecer. Sentia-se isso quando se ia às aldeias, aos bairros mais pobres, até quando se falava com os estudantes. Sentia que a situação estava à beira da ruptura. E não estou surpreendido com o que está a acontecer.

 

Precisavam apenas do rastilho, digamos assim?

 

Nem mais. Precisavam apenas de algo que lhes desse forças e esse papel coube à Tunísia.

 

O país pode voltar a ser uma monarquia?

 

Não creio. Mas a sua pergunta tem duas respostas. Penso que hoje as pessoas ainda estão na rua a fazer uma revolução e espero que tenham sucesso porque o país precisa de um regime democrático, mas uma vez alcançado precisam de encontrar formas de salvar esta revolução e de não serem de novo esvaziados das suas conquistas. Se a monarquia tem de desempenhar num papel será o do monarca. Mas cabe-lhes decidir.

 

Mesmo como república faz sentido haver um partido monárquico que se candidate às eleições?

 

Do meu ponto de vista, a monarquia é uma instituição que está acima dos partidos; o rei não teve tomar partido, deve chegar a todos e conseguir consensos. Formar um partidfo é contra essa ideia porque se entra num jogo político que não é o papel da monarquia.

 

Voltemos às manifestações. Em sua opinião, as pessoas continuarão na rua até que Mubarak parta ou, em determinado momento, decidirão que poderão suportá-lo até às eleições e regressam a casa?

 

Pessoalmente penso que ficarão na rua até que Mubarak parta. Querem também a partida de outros responsáveis mas isso não irá acontecer no imediato. E se Mubarak partir, lentamente a situação volta ao normal. Porque o poder já percebeu que se trata de um poderoso movimento popular, no início pensavam que era um simples protesto, daí que o primeiro discurso tenha sido patético.

 

Porque não disse Mubarak tudo no primeiro discurso?

 

Porque não percebeu a dimensão do protesto, o que surpreende tendo em conta o exemplo da Tunísia, a partida de Ben Ali. Foi patético. Mas lentamente o poder chegou à conclusão de que era maior do que se pensava. Já fez muitas concessões e terá de fazer mais.

 

Surpreendeu-o o papel do exército?

 

Não, absolutamente. O exército basicamente esteve à espera para ver o que acontecia e quando viu que não era uma pequena revolta de cinco mil pessoas, percebeu que seria difícil para os generais dar ordem de atirar porque na rua estavam irmãos, primos, familiares dos soldados. Era o mesmo povo. Contudo, fizeram-no com a polícia.

 

Porque não dizem os generais a Mubarak para partir?

 

É o que irá acontecer. Vão fazê-lo.

 

Porque não o fizeram ainda?

 

Porque este regime tem sido tão corrupto e com a corrupção vem a arrogância; para eles o povo egípcio não vale nada; nunca pensaram um segundo sequer no bem estar do povo. Por outro lado, não sabem como reagir a uma tal manifestação, nem como lidar com a situação. Mas os generais vão ter que lhe dizer que é tempo de partir, de contrário vão todos. Seria muito sensato para eles dizer a Mubarak para partir e em seguida regressarem todos aos quartéis. Seria o melhor para o país.

 

O vice-presidente Omar Suleiman tem afirmado que Mubarak não poder partir...

 

O vice-presidente é como o Presidente. Era e é o chefe dos serviços secretos. Ele tem tanto a perder como os outros. Também acabará por partir.

 

Vê alguém do velho regime que possa fazer a transição?

 

Penso que a única pessoa que pode liderar a transição, mas apenas a transição, possa ser Mohamed El Baradei. Talvez. Porque, apesar de ter pertencido ao velho regime, se transformou num opositor útil; é a figura importante agora. Claro que tudo isto pode mudar amanhã. Mas para já é a única pessoa que pode liderar a transição até às eleições e garantir que estas serão verdadeiras eleições e não meros referendos.

 

Amr Mussa, o secretário-geral da Liga Árabe esteve na praça da Libertação com os manifestantes. Qual a sua opinião sobre esta atitude de Mussa?

 

Está a tentar salvar o que pode.

 

É diferente dos outros?

 

Talvez seja um pouco diferente embora tenha feito parte do regime mas penso que tudo isso será passado. O que irá acontecer, em minha opinião, é que um novo grupo de pessoas irá aparecer, pessoas jovens, e é nelas que temos que concentrar a nossa atenção, nelas e no que irá acontecer no futuro.

 

Nota alguém novo que possa fazer a diferença?

 

Não, até agora ainda não. Mas o partido no poder irá dissolver-se se o movimento de protesto tiver sucesso e alguns deles irão criar um novo partido e é no que acontecer depois, nas eleições, que nos poderá revelar quem será alguém um dia. Porque a população é muito jovem, a maior parte nem tinha nascido no tempo de Sadat, só conheceram Mubarak. E para eles já chega, o seu líder não virá do regime.

 

No Ocidente há o receio de que os Irmãos Muçulmanos cheguem ao poder. Acha isso possível?

 

A curto prazo, não creio. Os Irmãos Muçulmanos constituem um partido muito bem organizado e têm importância mas esta foi muito exagerada pelo regime que fazia acreditar ter uma ameaça interna. Penso que não representam mais de 20%, se calhar nem isso. Contudo, irão jogar o jogo democrático. O perigo é a sua apropriação por outros poderes, através de financiamentos, de pessoas que estejam interessadas que cheguem ao poder. Agora os Irmãos Muçulmanos não são perigosos, poderão sê-lo dentro de dois ou três anos mas tudo irá depender da sociedade civil. Afinal, eles sempre lá estiveram.

 

Logo, não há o perigo de vermos o Egipto transformado num Irão?

 

Não serão capazes. Mas a influência dos religiosos pode ser um perigo a longo prazo para um país democrático como qualquer extremismo é perigoso para qualquer democracia.

 

Um movimento semelhante ao do Egipto pode acontecer noutros países da região?

 

Até agora nada se ouviu em Marrocos; na Jordânia os protestos não tocaram no nome do rei. Mas os regimes ditatoriais no Iémen, Argélia e até na Líbia estão ameaçados porque está a acontecer por todo o lado. Não creio que aconteça nos emirados porque a população tem um bom nível de vida, mas já não estou tão certo quanto ao Koweit e Arábia Saudita. A época da informação mudou tudo, tornou tudo possível. A Internet ajudou imenso. A população dantes só ouvia a propaganda governamental.

 

Isso significa que, agora, os líderes têm de ser mais claros, verdadeiros?

 

Informação e conhecimento caminham a par, um não existe sem o outro. Dominando os dois não é possível ser-se manipulado.

 

Estamos perante o nascimento de um novo Médio Oriente?

 

Não vai acontecer de um momento para o outro mas, pelo menos, é o que espero, que tenhamos um novo Médio Oriente com democracias. Mas há que ter cuidado na protecção dessa recém-nascida democracia.

 

O que espera dos EUA e da UE para proteger essas jovens democracias?

 

Tenho mais esperanças nos países europeus do que nos EUA. Os EUA apoiaram o Egipto durante 30 anos; irão ajudá-lo se tiver um governo que não corresponde aos seus desejos? Não sei. Como são pragmáticos, talvez acabem por aceitá-lo e ajudá-lo na mesma. Os europeus, contudo, são diferentes. Estão mais próximos, são vizinhos, e sempre tiveram um melhor conhecimento e entendimento da região; não duvido que estarão disponíveis para ajudar.

 

Voltando ao Cairo e a Mubarak. Existe perigo em as pessoas deixarem a praça antes da sua partida?

 

Se querem ter êxito devem manter a pressão até que ele parta, de contrário o regime que durou 30 anos e aprendeu bem a manipular, pode ser capaz de se reinventar e reagir.

 

 


4 – February – 2011 - Portugal

 

Entrevista – TVI 24

Um príncipe egípcio em Lisboa

 

Osman Rifat Ibrahim é lugar-tenente do último rei do país. Numa entrevista com o tvi24.pt defendeu a queda de Mubarak, a democracia e a emancipação das mulheres. Falou da Internet e de uma juventude informada por ela. Garantiu que não se importa que o país seja uma república, se for isso que o povo deseja.

 

Entre no bar de um hotel no centro de Lisboa. Agora imagine-se à procura de um príncipe egípcio na casa dos 60 anos. Olhe em volta mais uma vez. Até que alguém que sabe que é procurado o procure a si. O homem que se levantou para lhe apertar a mão estava há segundos sentado em frente a uma chávena de chá, com três maços de Marlboro ao lado. Veste casaco e gravata azul sobre uma camisa riscada e calças cinzentas. «É sua alteza real o príncipe Osman Rifat Ibrahim», é-nos apresentado.

 

Foi assim que o tvi24.pt se encontrou esta sexta-feira à tarde com o sobrinho do último rei do Egipto e do Sudão, Fuad II. É lugar-tenente do monarca, que vive na Suíça, e dispôs-se a falar do país do qual a família se exilou em 1953 - quando o Egipto se tornou uma República. Com o país imerso numa revolução, que pede o fim do regime de três décadas de Hosni Mubarak, o príncipe Osman Ibrahim, que se confunde com qualquer outro dos hóspedes, fala sobre o hoje e o amanhã da sua pátria, de forma tranquila mas convicta.

 

«Estou muito preocupado com o que se está a passar, porque é o meu país. Mas via-se que isto ia acontecer há muito tempo. Teria de acontecer mais cedo ou mais tarde». Inicia assim a conversa que se prolongou por pouco mais de meia hora, no mesmo registo informal e afável com que começou.

 

Para o príncipe, que se formou em História e Ciência Politica, o Egipto já continha todos os ingredientes para que o povo se erguesse contra o regime, mas «a faísca desta revolução», diz, «foi a Tunísia». «A situação na Tunísia permitiu às pessoas levantarem-se e começarem a contestação. E têm todo o direito de o fazer».

 

Depois de aceso o rastilho, a chama serviu-se do mais poderoso combustível, a vontade humana, que, no Egipto, para este homem de 59 anos, está cansada das suas últimas décadas de história. O que se sente nas ruas é, para o príncipe Osman, o que se vive entre portas fechadas. O se vê no Cairo, é o que se observa na mais pequena das comunidades egípcias. «Se for às aldeias, onde quer que seja, vê-se uma miséria de proporções insuportáveis. Está por toda a parte no Egipto e atinge toda a gente». «O nível de desemprego é tremendo. Não há esperança para os egípcios. Podem ir para a escola e para as universidades, mas não há trabalhos», sublinha.

 

A uma economia de rastos, que serviu até agora «apenas uma classe muito rica, enquanto o resto do país não têm nada», junte-se um estado policial de liberdades individuais sufocadas. Depois faça-se chocar contra este muro uma juventude educada e diplomada sem horizontes, que têm «consciência da sua condição» e, apesar da pobreza, usa a tecnologia para fugir à «propaganda oficial» e informar-se.

 

«A Internet ajudou muito. Permitiu às pessoas ver, saber e ouvir coisas que nunca passavam na comunicação social local, ou nos sistemas de educação. O Egipto tem uma enorme fatia da população que é jovem e esta população usa a Internet», diz este príncipe do Egipto. «Trata-se de uma emancipação das ideias».

 

«Hoje não devemos acreditar que as pessoas são ignorantes e estúpidas. Hoje quase toda a gente pode saber o que pode ser verdade ou não. Estes regimes não podem mentir mais à população. A informação é tanta, que é impossível esconder seja o que for», realça.

 

Sobre a posição das potências ocidentais, que há bem pouco tempo elogiavam a estabilidade do regime e agora pedem a saída de Mubarak, diz que nela «há muita hipocrisia». «Mas viram que o regime não era tão forte como pensavam e estão a mudar os seus pontos de vista».

 

Para o príncipe, uma coisa parece ser clara, esta é uma «revolução popular». «Não penso que haja alguém por detrás desta revolução», frisa. «É provavelmente uma das primeiras revoluções realmente populares, porque não há realmente um líder. É um segmento da população que está cá fora, que protesta, que já conseguiu várias concessões do poder, que pode ter sucesso e espero que tenha».

 

Sobre as manifestações de apoio a Hosni Mubarak, que se assistiram nos últimos dias com alguma violência, diz que são a consequência da «manipulação do Governo» e da rede de dependências que foram geradas por um regime de três décadas. O Egipto que está nas ruas contra o presidente é o verdadeiro Egipto, garante.

 

«Esta é uma revolução que não tem um líder», sublinha. «É uma revolução com 80 milhões de rostos». Não só de homens, com se poderia temer numa sociedade pensada à medida destes, mas também de mulheres, para quem este momento pode tornar-se um marco de emancipação.

 

«Pode muito bem ser. Não nos podemos esquecer que nas décadas de 1920, 30 e 40 houve uma emancipação da mulher durante o período constitucional, em que foram feitos avanços», salienta. «Se estamos a presenciar uma revolução democrática, e espero que o seja, lentamente penso que será um avanço para os direitos das mulheres e de todos os que têm sido oprimidos».

 

Outros dos receios expressos por alguns analistas é o que esta revolta caia na mão de extremistas ou se decalque no Irão. Mas na voz do príncipe não se perscruta essa preocupação. «Não penso que se possa estabelecer um paralelo entre a revolução iraniana e o Egipto. A revolução iraniana foi um movimento religioso, não penso que este seja um. Há a Irmandade Muçulmana, claro, mas acredito que ela não é tão forte como se pensa», anota, referindo-se ao movimento islâmico proibido por Mubarak.

 

«No Egipto de amanhã deverão ter um papel na transição. Esperemos que eles entrem no jogo democrático», diz, salientando que o mesmo se aplica ao exército, cuja posição ainda é uma incógnita. Apesar de ter prometido que não usaria a força contra o povo não a usou para travar os confrontos de quarta e quinta-feira entre apoiantes de Mubarak e os manifestantes da Praça Tahrir.

 

A transição, que para o príncipe é um imperativo imediato, «deveria ser liderada por uma figura civil. Não por um militar». «Deve haver eleições e um regime civil. Os militares devem voltar aos quartéis», insiste.

 

Será o Nobel da Paz Mohamed ElBaradei essa figura? «Porque não?! É uma figura de transição. Não penso que seja um homem para representar um papel relevante no Egipto de amanhã, mas hoje é, provavelmente, a figura que deve ser seguida de forma a passarmos do que é o hoje para o amanhã, em que sejam organizadas eleições livres».

 

Quando questionado sobre que papel poderá ter o rei, que vive na Suíça, e o resto da família real, espalhada um pouco por todo o mundo, Osman Rifat Ibrahim responde: «Se há algum papel que se pode esperar de nós é o de unir as pessoas, se houver essa necessidade».

 

Numa república ou numa monarquia? «Isso cabe ao povo do Egipto decidir. Mas poderia ser em qualquer um dos regimes. A monarquia não é uma coisa do passado. O modelo espanhol é um bom modelo, que permitiu a transição para a democracia. Mas depende acima de tudo da vontade do povo egípcio. É ele que está a fazer esta revolução».

 

O príncipe salienta que o rei não procura qualquer protagonismo. «Mas se necessitarem dele, certamente que ajudaria o seu país, numa posição ou noutra. Como um cidadão privado ou noutra posição que lhe fosse pedida». Acima de tudo, este homem que ganhou a vida no ramo do imobiliário, garante que se pudesse «estaria na Praça Tahrir no Cairo». A agitar que bandeira? «A agitar qualquer que seja a bandeira que represente o Egipto».

 

 


26 – September – 2010 - Portugal

 

No passado dia 25 de Setembro de 2010, no Pestana Palace Hotel – Lisboa (também por Palácio Valle Flor), foi mandado edificar nos finais do Século XIX pelo Marquês de Valle Flor.

 

Foi neste cenário repleto de história, que se reuniram para um jantar solene vários membros da aristocracia europeia, que contou com a presença de S.A.R. o Príncipe Osman Rifat Ibrahim, S.A.R. o Príncipe Davit Bagrationi – Chefe da Casa Real da Geórgia, S.A.I.R. o Arquiduque Andrés Salvador de Habsbourg Lorraine - Arquiduque e Príncipe da Austria, Hungria, Boémia e Toscania, S.A.R. o Infante Dom Miguel de Portugal - Duque de Viseu e S.A.I. o Príncipe Ermías  Sehla- Selassie - Presidente do Conselho da Coroa da Casa Imperial da Etiópia.